* As informações deste banco de dados são apenas para pesquisa. Não recomendamos automedicação. Procure sempre um profissional habilitado. *


Cactus

Cactus
Nome Popular: Cactus

Outros nomes: flor da noite; flor do baile; flor-cheirosa; cactus-de-flor-grande; mandacaru; círio-do-méxico,; flor-de-seda; tocha-espinhosa; cacto-espinal, cardão, gigante e rainha-das-flores.

Nome Científico: Cactus grandiflorus

Família: Cactaceae

Nomes Botânicos: Cereus grandiflorus; Cactus grandefollium; Selenicereus grandiflorus (l.) Britton & Rose.

Nome Farmacêutico: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Partes Usadas: flores frescas ou secas, caules jovens frescos, brotos e botões.

Sabor: doce, amargo e amornante.

Constituintes Químicos: alcalóides (do tipo isquinolínicos); aminas: tiramina, cactina (hordenina), cacticina, narcisina e grandiflorina; flavonóides: rutina, kaempferitrina, hiperosídeo e -(galactosil)-rutinosídeo, isorhamnerina-3- (galactosil)-rutinosídeo.

Propriedades Medicinais: diurético; remineralizante; cardiotônico; antiarrítmico; estimulante sexual; vasodilatador; estimulante; tônico; espinoestimulante; digitálico; emenagogo; nervino; antireumático; hidragogo; vermífugo; vesicante.

Indicações (Uso Interno): para angina do peito; perturbações cardíacas, circulatórias; reumatismo; congestões e irritações do coração; palpitações; sobrexcitação; miocardites; aortite; pericardite; hipertrofia; lesões valvulares; degeneração do músculo cardíaco; arritmia decorrente do abuso de álcool, café, tabaco, chá; congestão hepática; litíase biliar; afecções urinárias; cistites; paralisia da bexiga por fluxo de mucosidade espessa; afecções ginecológicas; metrorragia; dismenorréia; hemorragias; afecções pulmonares; pneumonia; asma por congestão; opressão crônica da respiração; tosse catarral com sibilos asmáticos; eleva pressão; estimulante dos mecanismos medulares; reduz colesterol, melhora a memória; alivia depressão; sedativo; neurastenia; cefaléia nervosa; histeria; febres catarrais; febre reumática; dores agudas nos olhos; alivia menstruações dolorosas; congestão cerebral; hepatite; dores de cabeça; inflamações; neuralgias; nefroses; neurose; nicotimismo; fungicida; câncer e bronquite crônica. Excelente nas perturbações cardíacas por abuso de café, fumo, chá e bebidas alcoólicas. Utilizado nas degenerescências do músculo cardíaco; valvulopatias (alteração das válvulas do coração) e nas palpitações nervosas, mesmo as causadas por cardites e inflamações agudas do coração. Alivia irritações cardíacas sem prejudicar o sistema nervoso. Tônico para fadiga sexual.

Indicações (Uso Externo): deve ser evitado, pois pode causar irritações em mucosas e pele.

Indicações Pediátricas: fortificante cardíaco. Crianças devem tomar sob forma de homeopatia associado a crataegus oxycatha.

Utilizações na MTC: tonifica o qi e o yang do coração. Elimina umidade-fleuma do Jiao inferior.

Classificação da Erva na MTC: Categoria 4 – Ervas para reduzir sensação de frio no corpo • Categoria 16 – ervas para corrigir deficiências.

Elemento predominante na MTC: Fogo

Atuação nos Canais: C, PC, B.

Ayurveda (Ação nos doshas): equilibra Kapha, Vata e Pitta.

Rasa: doce e amargo.

Virya: quente

Vipaka: amargo

Informações em outros sistemas de saúde: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Aromaterapia: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Floral:não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Homeopatia: : indicado nas moléstias do coração, sensações de constrição, palpitações constantes. Dose: tintura-mãe, 1ª e 3ª - 20 gotas 2 a 3 vezes ao dia. Crianças com menos de 10 anos tomar a metade das doses. 10 gotas. ANGINA DO PEITO – durante os acessos alternar a administração de Aconitum de 1ª ou 3ª com Cactus 1ª se ocorrer dor constritiva por trás do esterno. INFARTO DO MIOCÁRDIO – adicionar em um copo d´água 15 gotas de Aconitum C5 e Cactus C5. Ministrar de 30 em 30 minutos uma colher de chá.

Contra-indicações: não há relatos nas doses recomendadas. Há relatos de que uso do suco da planta fresca pode causar urticária, dermatose, queimação na boca, enjôo, vômito e diarréia. Não deve ser usado por pacientes chagásicos. Superdosagem pode provocar efeitos colaterais graves como confusão mental, aflição gástrica e também alucinações.

Interações medicamentosas: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Uso Veterinário: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Cultivo:

Planeta regente: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Indicações energéticas ou mágicas: planta que protege a cãs e a família contra influências negativas, inimigos, infortúnios. Deve estar no jardim próximo a edificação.

Habitat: é encontrado em quase todos os países do mundo. Originária da América Central e Brasil.

Informações clínicas e/ou científicas: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Descrição botânica: possui flores bem grandes e coloridas de rósea, vermelha e em alguns casos, branca. As flores depreendem um forte odor de baunilha. Atinge grande porte nas plantas adultas quando pode crescer apoiada em algum objeto, suando suas raízes adventícias. É da família das cactáceas, vivendo bem em lugares com baixo índice pluviométrico. Produz poucos espinhos. Raramente tem espinhos, mas possuem pêlos nas aréolas. Suas flores são grandes, vistosas e coloridas e seus ramos são achatados e suculentos, mas também podem se apresentar triangulares. Em estado selvagem, na floresta, podem se desenvolver sobre árvores, mantendo as raízes no chão, quase como se fosse uma trepadeira. Retira a umidade do ar e do sereno. Quando cultivada necessita de pouca água e substrato bem arenoso para as raízes respirarem. Cultivadores realizaram hibridações com os gêneros heliocereus, selenicereus e nopalxochia, resultando na grande maioria das plantas hoje no mercado.

Toxicidade: planta atóxica que não se acumula no organismo.

Colaboradores: RODRIGO SILVEIRA - consultor em fitoterapia, professor e criador do ERVANARIUM • http://www.ervanarium.com.br/profissional/8/rodrigo-silveira

Observações: utilizado como substituto da dedaleira (digitalis purpurea). Tem a vantagem de não se acumular no corpo. Tem ação incrementada com uso de avena sativa para o tratamento de impotência.

Fontes de pesquisa: http://www.plantamed.com.br/ • http://www.chapadadosguimaraes.com.br/cerrado.htm • http://www.curapelasplantas.com.br/especificaplanta.asp?Id=21 • http://www.deficiente-forum.com/terapias-caseiras-naturais-primeiros-socorros/cacto-grandifloro/ • http://www.oficinadeervas.com.br/artigo.php?Id_artigo=64&t=cactus-grandiflorus • http://www.ebah.com.br/catalogo-novo-farmacia-homeopatica-doc-doc-a66408.html • La vuelta a los vegetales – Carlos Hugo Burgstaller Chiriani – Ed. Hachette • ITF - Índice Terapêutico Fitoterápico - Ed. EPUB • The Yoga of Herbs - An Ayurvedic guide to herbal medicine - Dr. David Frawley and Dr. Vasant Lad - Lotus Press •
Perfeccionamiento de acupuntura, oligoelementos y fitoterapia - Yves Requena • Dukes Handbook of Medicinal Plants of Latin America – James A. Duke with Mary Jo Bogenschutz and Andra R. Ottesen – CRC Press • Handbook of Medicinal Herbs - James A. Duke with Mary Jo Bogenschutz and Judy duCellier and Peggy Ann K. Duke – CRC Press • El Libro Verde - BOTÁNICA MÁGICA - Formulas y Secretos del
Maestro Sri Deva Fénix - Sri Deva Fénix • Herbs for the Heart - C. J. Poutien – NTC Comtemporary • Enciclopédia de Medicina Natural - Marcílio Franco da Costa Pereira - Madras •




REDES SOCIAIS

ERVANARIUM
contato@ervanarium.com.br




© Copyright 2013 - Todos os direitos reservados à Ervanarium