* As informações deste banco de dados são apenas para pesquisa. Não recomendamos automedicação. Procure sempre um profissional habilitado. *


Quebra-pedra

Quebra-pedra
Nome Popular: Quebra-pedra

Outros nomes: arrebenta-pedra, arranca-pedras, conami, erva-pombinha, erva-pombinha-do-ceará, erva-pombo, filanto, fura-parede, quebra-panela, quebra-pedra-branco, rebenta-pedra, saudade-da-mulher, saúde-da-mulher, saxífraga, collarcillo (espanhol), stone breaker, Shatter stone (inglês), tartalikod (Ilokano), yerba de San Pablo (Bisaya), buah amin, Nipon-nipon (Malásia), chanca piedra (Índia), Meniran (Indonésia), zhen chu cao, ye xia zhu (China), egg-woman, seed-under-leaf.

Nome Científico: Phyllanthus niruri L.

Família: Euphorbiaceae.

Nomes Botânicos: Diasperus niruri (L.) Kuntze, Phyllanthus asperulatus Hutch., Phyllanthus filiformis Pavon ex Baillon, Phyllanthus lathyroides fo. decoratus Standl. & Steyerm., Phyllanthus lathyroides Kunth, Phyllanthus niruri var. genuinus Müll. Arg.

Nome Farmacêutico: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Partes Usadas: toda a planta.

Sabor: amargo e refrescante.

Constituintes Químicos: ácido elárgico, ácidos graxos, ácido repandusínico, ácido salicílico, alcalóides (norsecurina, 4-metoxi-norsecurina, entnorsecurinina, nirurina, flantine, filocrisina), alcalóides pirrozilidínicos (norsecurinina, 4-metoxi-norsecurinina, nor-ent securinina), alcalóides indolizidínicos (nirunina filantina, filocrisina), alcanos (triacontan-1-al, triacontan-1-ol), benzenóides (salicilato de metila, filesterina), breviflonina-ácido carboxílico, esteróides (24-isopropil-colesterol, estradiol, estigmasterol, b-sitosterol), dibenzilbutirolactona, cineol, cimol, flavonóides (quercitrina, quercetina, rutina, astragalina, isoquercitrina, kaempferol-4-0-a-L-ramnosídeo, nirurim, ninurinetim, fisetina-41-0-b-D-glucosídeo, eriodictiol-7-a-L-ramnosídeo), filantol, filalvina, filantidina, furosina, gelato de metila, gelato de etila, geranina, galato de etila, glochidona, geraniina, glicosídeos, hiporilantina, hirtetralina, lignanos (lintetralina, nirurina, nirurinetina, filnirurina, isolintetralina, hipofilantina, kinokinina, nitrantina, nitretalina, filantina, isolariciresinoltrimetil éter, nirantina, seco-4-hidroxilintetralina, hidroxinirantina, nirfilina, nirtetralina, filtetralina, filtetrina e hidroxilignanos), linalol, lipídeos (ácido ricinoléico, dotriancontanóico, linoléico e linolênico), mucilagens, niruside, securimina, sais minerais, saponinas, taninos, terpenos (cimeno, limoneno), triterpenos (lupeol-acetato e lupeol), vitamina C, xantoxilina. SEMENTES: ácido linoléico, ácido linolênico, ácido ricinoléico. FOLHAS: compostos fenólicos (3,5%), vitamina C (0,4%), ligninas, triterpenóides. PARTE AÉREA: flavonóides, quercitrina, quercetina, rutina, astragalina, nirurina, fisetina-4-0 glicosídeo, triacontanal, triacontanol e hipofilantina. Filantina, filalvina, cineol, cimol, linalol, salicilato de metila, securimina, filantidina, ácido salicílico; RAÍZES: 90 derivados flavônicos, triterpenóides e esteróide estradiol.

Propriedades Medicinais: adstringente; analgésico; antiespasmódico; antiblenorrágico; anti-séptico; anti-hipertensor; anti-hipercolesterolêmico; anti-hepatite-B; anti-hepatotóxico; anti-hidrópico; antilítico; antiinfeccioso das vias urinárias; antinefrítico; antiicterícia; antidiabético; antitumoral; anticancerígeno; antivirótico; aperiente; citostático; desobstruente; diurético; estomáquico; febrífugo; hepatoprotetor; litogênico; purgativo; relaxante; sedante; sudorífico; tônico; vermífugo; desobstruente renal; colagogo; emético; colerético; uricosúrico; antipirético; bactericida; hipoglicemiante.

Indicações (Uso Interno): inibidora ACE; inibidora da transcriptase reversa do HIV; eleva a eliminação do ácido úrico pela urina; prostatite; reumatismo gotoso; moléstias da bexiga; retenção urinária; afecções da pele, da boca e da garganta; albuminúria; catarro vesical; amenorréia; cistite; cólica renal; icterícia; disenteria; diabete mellitus com polineruropatia; edemas; eliminação de urólitos; febre palustre; infecções pulmonares; insuficiência renal; ativa os glomérulos; pielites; dores articulares; azia; prisão de ventre; redutora de espasmos dos vasos, dutos e útero; bronquite; asma; tosse; faringite; anorexia; dispepsias; litíase renal; estomáquica; elimina Staphilococus; reduz espasmos nos vasos; hepatite B; bronquite; dispepsias; asma; tosse; anorexia; reduz espasmos no útero.

Indicações (Uso Externo): feridas; gangrenas; contusões; verrugas; inseticida de piolhos e pulgas; relaxante muscular.

Indicações Pediátricas: mesmas indicações que para adultos.

Utilizações na MTC: elimina calor no Jiao inferior; estimula o Yin do Rim; desobstrução dos canais energéticos; remove umidade-calor dos Rins; harmoniza o Qi da Bexiga; tonifica o Yin do Fígado.

Classificação da Erva na MTC: Categoria 2 – Ervas para calor excessivo dentro do corpo ● Categoria 5 – Ervas para reduzir umidade de dentro do corpo ● Categoria 16 – Ervas para corrigir deficiências.

Elemento predominante na MTC: Madeira.

Atuação nos Canais: R, B, E e F.

Ayurveda (Ação nos doshas): nome ayurvédico - Bhuumyaamalaki. Reduz Pitta e Kapha e aumenta Vata. Atua nos tecidos plasmático, seminal, sanguíneo e adiposo. Tem ação sobre o sistema digestivo, reprodutor e urinário. No Ayurveda é considera a principal erva para o Fígado e é utilizada em tratamentos interno para colite, edema, gonorréia, menorragia, doenças urogenitais, disenteria, diabetes, dispepsia, icterícia. Externamente é usada para tratar pólipos, inflamações, machucados, inchaços, coceira e outras doenças de pele, sangramento das gengivas, uvulite e tonsilite. Desobstruente dos canais energéticos (srotas).

Rasa: amargo.

Virya: fria.

Vipaka: picante.

Informações em outros sistemas de saúde: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Aromaterapia: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Floral:FLORAIS DAS GERAIS - sistemáticos; perfeccionistas; metódicos; cristalização mental; auto-cobranças; dificuldades de ceder. FLORAIS DE MINAS - Phyllanthus: sistemático; perfeccionista; metódico; cristalização mental e emocional.

Homeopatia: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Contra-indicações: dosagem elevadas provocam efeito purgativo; não deve ser usada por gestantes; lactantes e crianças; evitar em pessoas com sensibilidade a plantas do gênero Phyllanthus; em doses elevadas pode ser tóxica; uso por mais de 21 dias seguidos pode provocar ou em altas doses provoca desmineralização do organismo.

Interações medicamentosas: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Uso Veterinário: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Cultivo:

Planeta regente: para distúrbios relacionados ao trânsito de Mercúrio em Libra, Marte em Libra, Júpiter em Libra, Saturno em Libra, Urano em Libra, Netuno em Libra.

Indicações energéticas ou mágicas: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Habitat: planta nativa das Américas, do centro e do sul da Índia até o Sri Lanka e em toda região tropical.

Informações clínicas e/ou científicas: estudos demonstram que sua administração promove relaxamento dos ureteres, que aliado a uma ação analgésica, facilita a descida dos cálculos, geralmente sem dor nem sangramento, aumentando também a filtração glomerular e a excreção de ácido úrico. Esses resultados justificam seu uso popular para tratamento das pedras nos rins (litíase renal) e, provavelmente, no reumatismo gotoso e outras afecções caracterizadas por taxas elevadas de ácido úrico. Não se sabe se a atividade da planta resulta de um único princípio ativo ou do conjunto de várias substâncias ativas (complexo fitoterápico).

Descrição botânica: erva ruderal, anual, de 40 a 80 cm de altura, que possui flores e frutos diminutos nas axilas da folhas. Cresce principalmente na estação chuvosa em todo tipo de solo, sendo comum aparecer nas fendas das calçadas, terrenos baldios, quintais e jardins, em todos os estados brasileiros. O nome quebra-pedra se refere a várias outras espécies semelhantes do mesmo gênero.

Toxicidade: devido ao potencial tóxico dos alcalóides, deve-se manter as dosagens recomendadas para uma administração segura. É conveniente, no uso prolongado, interrompermos por uma semana o uso do chá a cada 3 semanas.

Colaboradores: RODRIGO SILVEIRA - Fitoterapeuta e Professor, criador do ERVANARIUM: http://www.ervanarium.com.br/profissional/8/rodrigo-silveira. LUCIANA OLIVEIRA - Bióloga formada pela UFRGS, Artista Floral e Fitoterapeuta formada pelo ERVANARIUM: http://www.ervanarium.com.br/profissional/11/luciana-oliveira.

Observações: tem ação bactericida principalmente sobre os staphilococus (bácterias que geram pus).

Fontes de pesquisa: http://www.plantamed.com.br/ • http://www.cultivando.com.br/plantas_medicinais_detalhes/quebra_pedra.html • As plantas e os planetas - Ana Bandeira de Carvalho - Ed. Nova Era • Florais das Gerais - Catálogo • Florais de Minas - Catálogo • Indian Medicinal Plants - C.P Khare - Springer • The Ayurveda Encyclopedia - Swami Sadashiva Tirtha • ITF - Índice Terapêutico Fitoterápico - EPUB • Fórmulas Mágicas - Dr. Alex Botsaris - Ed. Nova Era • Guia Prático para Auto-cura - Tonusterapia. A cura pelas plantas - Munir Sabá - Editora Traço • As plantas curam - A. Balbach - Ed. Vida Plena • A vida cura a vida - Pe. Paulo Wendling - Paulinas • Ayurveda - A ciência da longa vida - Dr. Edson D´Angelo e Janner Rangel Côrtes - Madras • The Yoga of Herbs - Dr. David Frawlwy and Dr. Vasant Lad - Lótus Press • Ayurveda - saúde e longevidade na tradição milenar da Índia - Dr. Danilo Maciel Carneiro - Pensamento • El libro verde de botanica magica - fórmulas y secretos del Maestro Sri Deva Fenix • Ayurveda - A ciência da longa vida - Dr. Edson D´Angelo e Janner Rangel Côrtes - Madras •



REDES SOCIAIS

ERVANARIUM
contato@ervanarium.com.br




© Copyright 2013 - Todos os direitos reservados à Ervanarium