* As informações deste banco de dados são apenas para pesquisa. Não recomendamos automedicação. Procure sempre um profissional habilitado. *


Melissa

Melissa
Nome Popular: Melissa

Outros nomes: erva-cidreira, chá-da-frança, chá-de-tabuleiro, cidrilha, citronela, citronela-menor, erva-cidreira-européia, erva-luísa, cidreira-verdadeira, limonete, melitéia, melissa, melissa-romana, melissa-verdadeira, salva-do-brasil, celine, citronade, grama-cidreira, maliteira, salva-limão, zitronen melisse (alemão), melisa (espanhol), mélisse (francês), lemon balm (inglês), melissa selvatica (italiano), melissae citratae (latim), bee balm, sweet balm.

Nome Científico: Melissa officinalis L.

Família: Lamiaceae.

Nomes Botânicos: Melissa bicornis Klok.

Nome Farmacêutico: Folium Melissae.

Partes Usadas: partes aéreas e O. E.

Sabor: doce, adstringente, amarga e refrescante.

Constituintes Químicos: ácidos caféico, ácidos rosmarínico, ácido clorogênico, ácidos triterpênicos: ursólico e oleânico; óleo essencial (citral, citronelal, citronelol, pineno, limoneno, linalol e geraniol), glicosídeos flavônicos, resinas, sesquiterpenos (cariofileno e outros), succínico, tanino.

Propriedades Medicinais: antiespasmódico; calmante suave; carminativo; antinevrálgico; emenagogo; sudorífico; estomáquico; colerético; adstringente; analgésico; antialérgico; antidispéptico; antimicrobiano; anti-séptico; antiviral em diarréias (extrato cru); cicatrizante; cordial; digestivo; diurético; estimulante; hipotensora; relaxante; sedativo; tônico; anti-hemorrágico; vermífugo; antigripal; antitussivo; relaxante; hipotensor.

Indicações (Uso Interno): afecções gástricas; ansiedade; arrotos; artralgias; cãibras intestinais; catarros crônicos; caxumba; cefalalgia; celulite, ativa circulação; crises nervosas; debilidade geral; depressão; desmaio; diarréia sanguinolenta; dores nos olhos; enjôo; entupimento das mamas; preveni enxaquecas; acalma sintomas de epilepsia; erupções; fadiga; melancolia; nervosismo; nevralgia facial e dentária; odontalgias; pericardite; problemas hepáticos e biliares; resfriado; tenesmo; tosse; vertigem; insônia; icterícia; paralisia; inapetência; utilizada em banhos para revigorar; histerismo; hipocondria; hipertireoidismo; reduz febre; auxilia no trabalho de parto; infertilidade; elimina parasitas intestinais; reduz tumores; melhora a visão; pára hemorragias; síndrome do cólon irritável, utilizada no tratamento do Mal de Alzheimer; Síndrome Déficit de Atenção; hiperatividade; boa para o coração; circulação sanguínea; fortificante dos nervos e do cérebro; fortalece o útero; beneficia o sistema reprodutivo feminino; irregularidade menstrual; neuralgia intercostal; distúrbios do sistema nervoso autônomo; palpitações; nevralgias; convulsões; espasmos musculares; psicose maníaco-depressiva; para suavizar a psique; tosse com muco; constipação; hipocondria; atonia estomacal; vertigens; visão fraca; excitante gástrico; vômito na gravidez; cefalalgia; obscurações passageiras; ruído nos ouvidos; vertigem por trabalho individual; afecções cardíacas.

Indicações (Uso Externo): picada de inseto (O.E); herpes labial; alivia contusões e edemas; mau hálito; chagas; feridas; estimulante cutâneo.

Indicações Pediátricas: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Utilizações na MTC: para subida do yang do Fígado; vazio do yin do Coração; estagnação do Qi do Rim; estagnação do Qi do Estômago; estagnação do Qi do Útero; fogo do Coração; vento-calor externo; vazio do Jing do Rim; vazio do Baço/Pâncreas; vazio do sangue do Coração.

Classificação da Erva na MTC: Categoria 14 – Ervas para reduzir ansiedade • Categoria 15 – Ervas para cessar movimentos involuntários.

Elemento predominante na MTC: Madeira.

Atuação nos Canais: F, C, P, R, TA, B, PC, VC e VG.

Ayurveda (Ação nos doshas): reduz Kapha e Pitta e agrava Vata em excesso.

Rasa: picante e doce.

Virya: fria.

Vipaka: doce.

Informações em outros sistemas de saúde: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Aromaterapia: o óleo de melissa assemelha-se à erva-doce e à hortelã-pimenta em sua ação digestiva e carminativa; é bom para combater a náusea, os vômitos e a flatulência. A essência pode ser considerada como um estupefaciente ligeiramente tóxico.

Floral:não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Homeopatia: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Contra-indicações: pessoas com hipersensibilidade aos componentes da planta; pessoas com hipotensão e para gestantes com sensibilidade aos componentes devem evitar o uso. Pode causar diminuição da pulsação e entorpecimento.

Interações medicamentosas: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Uso Veterinário: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Cultivo:

Planeta regente: Regente – Sol e Lua. Empregada em distúrbios relacionados ao trânsito da Lua em Áries, Mercúrio em Áries, Mercúrio em Gêmeos, Mercúrio em Leão, Mercúrio em Capricórnio, Mercúrio em Aquário, Vênus em Gêmeos, Júpiter em Áries, Júpiter em Gêmeos, Urano em Áries, Urano em Gêmeos, Urano em Câncer, Urano em Leão, Urano em Escorpião, Netuno em Virgem, Plutão em Gêmeos. Paracelso apontava o planeta Júpiter como um co-regente da planta.

Indicações energéticas ou mágicas: as sibilas dos templos de cumas, de delfos, da eritréia, da líbia e de outros lugares se serviam, para despertar sua inspiração, de uma beberagem dinâmica na qual entrava a melissa em sua maior parte. Segundo uma antiga tradição, se pendurarmos um raminho inteiro no pescoço de um boi, o animal seguirá obedientemente por todas as partes onde tiver sido colocada. Associada a Ariarnhod - deusa do Destino e a Selene - deusa da lua e da cura. Também associada magicamente a cura, amor, relaxamento. Na Idade Média o povo plantava a erva perto da porta de entrada da casa para afastar os maus espíritos.

Habitat: originária da Europa.

Informações clínicas e/ou científicas: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Descrição botânica: planta herbácea de folhas verdes pequenas com as bordas arredondadas. As flores são raramente vistas, mas são brancas e sem expressão. A planta pode atingir a altura de 0,50 m, com forma arredonda meio irregular. As folhas desprendem forte odor de limão.

Toxicidade: o óleo essencial é considerado moderadamente tóxico.

Colaboradores: RODRIGO SILVEIRA - consultor em fitoterapia, professor e criador do ERVANARIUM • http://www.ervanarium.com.br/profissional/8/rodrigo-silveira

Observações: é uma planta melífera, de onde tem origem o seu nome, tem um aroma semelhante ao limão quando fresca e nova quase vai perdendo e transformando num cheiro menos agradável. Esta planta só deve ser guardada seca por um ano, pois após perde propriedades aromáticas e medicinais.

Fontes de pesquisa: http://www.plantamed.com.br/ • http://www.fazfacil.com.br/jardim/erva_aromatica_erva_cidreira.html • Apostila de Fitoterapia Chinesa - Prof. Antonio de Bortolli - Delta Educação • A astrologia da Mãe-Terra - Márcia Starck - Pensamento • As plantas e os planetas - Ana Bandeira de Carvalho - Ed. Nova Era • As plantas mágicas - Botânica oculta - Paracelso • ITF - Índice Terapêutico Fitoterápico - EPUB • Fórmulas Mágicas - Dr. Alex Botsaris - Ed. Nova Era • Perfeccionamiento en acupuntura, oligoelementos y fitoterapia - Yves Requena • Fitoterapia Amazônica- Fernando Castro da Cruz - Ed. Palpite • 100 Plantas para viver até os 100 anos - Anônimo - PDF • The Green Wiccan Herbal - Silja - Cico Books •



REDES SOCIAIS

ERVANARIUM
contato@ervanarium.com.br




© Copyright 2013 - Todos os direitos reservados à Ervanarium