* As informações deste banco de dados são apenas para pesquisa. Não recomendamos automedicação. Procure sempre um profissional habilitado. *


Araruta

Araruta
Nome Popular: Araruta

Outros nomes: gutiguepa, agutiguepe, araruta-caixulta, mão de onça, aruaru, araluke, araruta-comum, araruta-especial, hulankiriya, caisulta comum, gigante, especial, caixuta, ramosa, raiz-redonda, imbirii, palmeira, araruta-gigante, araruta-palmeira, araruta-raiz-redonda, araruta-ramosa, aru-aru, embiri, arrow-root (inglês), maranta arruruz (espanhol), dictame (francês), maranta (italiano), arrowrootpflanze (alemão), aararoot, agontigueppe, agutiguepe, alimento, alloyo, amaranta, amarata, amerikaanse saleb (holandez), angkrik (javanês), ararout (arábe), araru, araru de jardin, ararut, krio (malaio), araruttuk-kilangu, arawout (creole), arourou, arroruz (peruano), arrowroot (inglês da jamaica), arrowroot de la jamaique (frances), arus (javanês), bermuda arrowroot (inglês), berolu (malaio), beruwi (malaio), bordoncillo, bribi, camotillo, cannacoro, chaac, chaak, chogátara (peruano), chuchute, chuchute tamalera (espanhol), cuycuy , dictame (creole), envers blanc (creole), fecola estratta dalla (italiano), gaerut (javanês), garut (javanês), guapo, guate, herbe aux flèches (francês), inchakuy, inchusi, indian arrowroot, irut (javanês), jamachipeke, jelarut (javanês), jihopo (peruano), kaa, kaakaneshasteh, kuamau, kughei, Kuva, kuva mava, kuvamavu, kuvehittu, kuzi ukon (japonês), larut (javanês), leren, maranta, maranta a feuilles de balisier (francês), maranta de l’inde, marante (francês), marantha (colombiano), medawik china (sumatra), mouchasse barbade (st. lucia), nggarut (javanês), ono meguen mani, palagunda, palaguntha, patat sagu (sunda), pen bava (myanmar), pen bwa (myanmar), pfeilwurz (alemão), pfeilwurzel taerke (alemão), pitisilen, plante a flèches (haitiano), platanillo, pringjaepite, racine a flèche (haitiano), rarut (javanês), saeta raiz (espanhol), sagu, sagu belanda (malaio), sagu del monte, sagu rarut (sumatra), shimipampana (peruano, espanhol), suco, sulu tamalera, tavaksha, tavkil, tikhur (india), tikkor (hindi), ubi garut (malaio), ubi karut (malaio), vestindisk salep (dinamarquês), vilonala, vincent arrowroot (inglês), viuxita, waerut (javanês), west indian arrowroot (inglês), west indisch arrow root (holandês), west indische pfeilwurzel (alemão), west indische pijlwortel (holandês), wild arrowroot (bélgica), yuquilla (cuba, peru), yuquilla de monte, yuquilla silvestre, Koovaikizhangu, Kookaineer (siddha),

Nome Científico: Maranta arundinacea L.

Família: Marantaceae.

Nomes Botânicos: Maranta indica Tussac, Maranta protracta Miq., Maranta ramosissima Wall, Maranta sylvatica Roscoe ex Sm., Phrynium variegatum N.E. Br.

Nome Farmacêutico: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Partes Usadas: rizoma.

Sabor: doce.

Constituintes Químicos: betacaroteno, niacina, riboflavina, tiamina, vitamina B, cálcio, fibras, carboidratos, potássio,

Propriedades Medicinais: analéptico, analgésico, antidisentérico, antiofídico, cicatrizante, depurativo, digestivo, diurético, febrífugo, fortalecedor, peitoral, antibilioso, antídoto (curare), antiescorbútico, colerético, colírio, demulcente, depurativo, digestivo, febrífugo, hipocolesterolêmico, refrigerante, rubefasciente, estomáquico, vulnerário, nutritivo, cosmético, desodorante, remineralizante,

Indicações (Uso Interno): debilidade orgânica, dispepsia, febre intermitente, irritação do canal digestivo, problemas pulmonares e urinários, disenteria, erisipela, rouquidão, machucados, dores, fortificação de crianças e idosos, queimaduras de sol, picadas de cobras e de mosquitos, alcoolismo, astenia, estimular a produção de bile, bronquite, colecocistite, cólera, colite, convalescência, tosse, cistite, dermatite, diarreia, disenteria, dispneia, disúria, enterite, erisipela, febre, gangrena, gastrite, abaixa o colesterol ruim, hiperacidez, ronco, estresse, tumores, uretrite, aumento da salivação (colocar debaixo da língua, prisão de ventre,

Indicações (Uso Externo): gangrena, dermatite, rouquidão (gargarejos), oftalmias, dores, picada de cobra, feridas, garganta dolorida (gargarejos), entorses, picadas, queimadura de sol, tumores, machucados, acalma mucosas inflamadas,

Indicações Pediátricas: indicado para nutrição de crianças convalescentes.

Utilizações na MTC: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Classificação da Erva na MTC: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Elemento predominante na MTC: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Atuação nos Canais: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Ayurveda (Ação nos doshas): planta usada como substituta ao bamboo-manna.

Rasa: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Virya: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Vipaka: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Informações em outros sistemas de saúde: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Aromaterapia: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Floral:não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Homeopatia: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Contra-indicações: consumo excessivo pode causar dores estomacais.

Interações medicamentosas: não há efeito colateral conhecido da utilização desta planta com outros medicamentos (FDA Poisonous Plants Database).

Uso Veterinário: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Cultivo: pode ser cultivada com luz solar direta ou em sombra parcial. O ideal é que o solo seja leve, profundo, bem drenado, fértil e rico em matéria orgânica. A faixa de pH ideal do solo é de 5,8 a 6,3. Solos compactados ou solos argilosos pesados não são adequados para o plantio. Irrigue com frequência para que o solo seja mantido sempre úmido, porém sem que permaneça encharcado. Esta planta é relativamente sensível a falta de água, entrando em dormência quando há seca. A araruta é propagada geralmente por pedaços de rizoma. O ideal é usar rizomas pequenos, com cerca de 4 a 7 cm de comprimento. Estes devem ser plantados diretamente no local definitivo a uma profundidade de aproximadamente 5 cm no solo. O espaçamento pode variar entre 60 cm e 1 m entre as linhas de plantio e 40 a 50 cm entre as plantas. A colheita geralmente é feita de 6 a 12 meses após o plantio, preferencialmente quando as folhas ficam amareladas, o que depende das condições climáticas da região. A terra deve ser revolvida e os rizomas coletados. Os menores rizomas de plantas saudáveis e produtivas podem ser separados para o replantio.

Planeta regente: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Indicações energéticas ou mágicas: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Habitat: nativa da América Tropical (Sul, Central, México e Caribe).

Informações clínicas e/ou científicas: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Descrição botânica: pode atingir de 60 cm a 1,8 m de altura.

Toxicidade: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Colaboradores: RODRIGO SILVEIRA – Fitoterapeuta, Consultor em Física do Comportamento Humano, Escritor, Palestrante e Professor, criador do ERVANARIUM: http://www.ervanarium.com.br/profissional/8/rodrigo-silveira.

Observações: as raízes fornecem fécula. Favorece a reidratação ao ser consumida em pó misturada com água. As raízes contêm cerca de 25-27% de amido. Se destaca no meio de produtos naturais na forma do polvilho extraído dos rizomas da planta, após trituração, e também por ser fonte de carboidratos, cálcio, fibras e por seu uso em cosméticos. Consumo excessivo pode causar dores estomacais. Seu polvilho não contém glúten. Apresenta baixas calorias. Para a obtenção da fécula de araruta, os rizomas colhidos são lavados, descascados e ralados ou triturados até a obtenção de uma polpa. A polpa é diluída em água potável e este líquido é passado por peneiras finas para a retirada do material fibroso. O líquido é deixado em repouso para que ocorra a decantação do amido. Posteriormente, a parte líquida é retirada e a pasta obtida é colocada para secar ao ar por vários dias, ou em equipamento de secagem a baixas temperaturas (55°C a 60°C) por cerca de 2 ou 3 horas. A fécula de araruta obtida é pulverizada (reduzida a pó) e pode então ser armazenada em local seco.

Fontes de pesquisa: http://www.plantamed.com.br/ • https://www.greenme.com.br/usos-beneficios/1064-araruta-conheca-a-planta-que-pode-trazer-varios-beneficios-para-saude-corpo-e-ainda-ser-uma-opcao-na-cozinha • http://www.gastronomiaverde.com.br/site/index.php?option=com_content&view=article&id=329:araruta-uma-farinha-bem-brasileira-vamos-recuperar-a-historia-da-culinaria-com-um-sabor-diferente&catid=57:encontros-com-o-rural-sustentavel • https://hortas.info/como-plantar-araruta • CD Rom - Ervas Medicinais - Volume 1 - Anônimo • Dukes Handbook of Medicinal Plants of Latin America - James A. Duke with Mary Jo Bogenschutz-Godwin, Andrea R. Ottesen - CRC Press • A cura pelos remédios caseiros - Guia de ervas e medicina natural - Raunei Iamoni - Ediouro • Indian Medicinal Plants - C.P Khare - Springer • Guia Prático para Auto-cura - Tonusterapia. A cura pelas plantas - Munir Sabá - Editora Traço •



REDES SOCIAIS

ERVANARIUM
contato@ervanarium.com.br




© Copyright 2013 - Todos os direitos reservados à Ervanarium