* As informações deste banco de dados são apenas para pesquisa. Não recomendamos automedicação. Procure sempre um profissional habilitado. *


Arnica

Arnica
Nome Popular: Arnica

Outros nomes: arnica-verdadeira, tabaco-da-montanha, tabaco-de-savóia, tabaco de vosgi, arnica-europeia, arnica dorónica, dorónica germânica, betónica das montanhas, tabaco dos Alpes, tabaco dos bosques, veneno de Leopardo, erva dos pregadores, tabaco-dos-saboianos, wolf´s bane, leopards bane, mountain tobacco, mountain snuff, mountain arnica (inglês), Daarunaj Aqrabi (Unani).

Nome Científico: Arnica montana.

Família: Compositae/ Asteraceae.

Nomes Botânicos: Doronicum oppositifolium Lam., Doronicum arnica Desf., Arnica cordifolia L., Arnica latifólia.

Nome Farmacêutico: nada consta na literatura pesquisada.

Partes Usadas: flores (principalmente, folhas e rizomas.

Sabor: Doce, amarga, picante, neutra e tóxica.

Constituintes Químicos: arnicina, taninos, ácido caféico, arnidiol, faradiol, lactonas sesquiterpénicas (helenalina, dihidrohelenalina), glucósidos flavónicos (astragalina, isoquercitina), cumarinas (umbeliferona, escopoletina).

Propriedades Medicinais: adstringente, analgésico, antiespasmódico, antiflogístico, antisséptico, antitumoral, cicatrizante, estimulante, sudorífico, vulnerário, abortiva, anti-inflamatório, antirreumática, bequico, odontálgico, analéptico, anti-agregante, antibactericida, antiedêmico, antipirético, Candidicida, antineurálgico, cardiotóxico, cardiotônico, cerebrotônico, expectorante, colerético, dermatitogenico, hipocolesteromiante, imunoestimulante, diurético, fungicida, nervino, fagocitótico, sedativo, tônico, irritante (óleo essencial), alergênico, inibidor de fosfolipase, estimulante do SNC, resolvente, uterogênico.

Indicações (Uso Interno): polineurite, tônico do coração, para choque, hipotensão arterial, tônico do sistema nervoso, para paralisias de origem central, derrames, aterosclerose, náusea, ozena, indicado em vários tipos de câncer. USO INTERNO SEGURO APENAS NA FORMA DE HOMEOPATIA MANIPULADA POR PROFISSIONAIS HABILITADOS.

Indicações (Uso Externo): contusões em geral, machucados, golpes, quedas, hemorragias externas, orquites, traumatismos, hematomas, febre tifoide, caibras, espasmos musculares, ferimentos, inflamações, torções, furúnculos, abscessos, varizes, frieiras, pruridos, paralisia, dá brilho aos cabelos, dores reumáticas, equimoses, tumores, irritações cutâneas, alopecia, hemorroidas, bolhas, micoses, flebite, seborreia, retenção de água, caspa, inchaços.

Indicações Pediátricas: não é recomendado uso para indivíduo de menos de 12 anos.

Utilizações na MTC: em distúrbios associados ao excesso de Yang no elemento Terra. Aumenta o Qi (energia vital) do coração e restaura a circulação coronária. Utiliza em tratamentos de vazio de Qi (energia vital) do coração, vazio de sangue do coração, vazio de yang do coração, subida de yang do fígado, vazio de yin, fogo tóxico.

Classificação da Erva na MTC: Categoria 20 – Ervas para aplicações externas.

Elemento predominante na MTC: Fogo.

Atuação nos Canais: Coração e Pericárdio.

Ayurveda (Ação nos doshas): reduz Vata e Kapha e eleva Pitta.

Rasa: picante.

Virya: quente.

Vipaka: picante.

Informações em outros sistemas de saúde: índios norte-americanos faziam uso externo contra irritações cutâneas.

Aromaterapia: a indústria da perfumaria faz uso do óleo da Arnica montana. O óleo Arnica é muito conhecido pelo seu uso em homeopatia e é utilizado para situações de choque. Costuma ser usado da mesma maneira que os florais, diluindo algumas gotas do óleo em um copo com água. Não tome florais se estiver tomando o óleo essencial, já que o óleo funciona como antídoto aos remédios homeopáticos. (http://www.caminhantes2.com/aromaterapia_26.html). Benefícios do óleo essencial de arnica são muitos. É usado para aliviar dor, edema e hematomas de pancadas, torções, escoriações, contusões, picadas de insetos e dores reumáticas das articulações e músculos. Alivia também a dor muscular causada pela prática esportiva, prevenindo lesões e acelerando a recuperação muscular. Tem ainda o poder de hidratar e prevenir estrias, já que aumenta a elasticidade da pele e tonifica, além de melhorar a circulação sanguínea. Para pessoas que sofrem com extremidades frias, uma massagem com óleo de arnica pode ser de grande ajuda, e seu uso também é indicado para combater a queda de cabelo. O óleo de arnica deve ser de uso externo, evitando feridas abertas, olhos e mucosas. Antes de usar, faça teste de sensibilidade, aplicando um pouco no antebraço e aguardando por 1 hora (https://lar-natural.com.br/beneficios-do-oleo-de-arnica-para-o-corpo/).

Floral:FLORAIS DE MINAS - Arnica Campestre - traumatismos, dores internas, cicatrização, pré e pós-operatório. FLORAIS DAS GERAIS - Arnica-mineira - cicatrização emocional e para traumatismos do corpo físico: ferimentos, contusões, cirurgias, traumas psíquicos.

Homeopatia: ACROCIANOSE – 20 gotas de Arnica D3 antes do almoço. AMNÉSIA – 20 gotas de Arnica D3 pela manhã e a noite. DESMAIOS – 20 gotas de Arnica D3 em um pouco de açúcar em casos de emergência. DORMÊNCIA – 20 gotas de Arnica D3 antes do almoço. ENTORSES – compressas com 30 gotas de Arnica TM. ESTAFA – em casos emergenciais – 5 gotas de Arnica D3 em um pouco de açúcar. FADIGA – 20 gotas de Arnica D3 de manhã e a noite. FERIDAS – 3 GOTAS DE Arnica C5 de 6 em 6 horas. GALOS – enquanto ele persistir tomar 15 gotas de Arnica D3 de 8 em 8 horas. GRAVIDEZ - em casos emergenciais – 20 gotas de Arnica D3 em um pouco de açúcar. HIPOGLICEMIA – em casos emergenciais – 20 gotas de Arnica D3 em um pouco de açúcar. HIPOTENSÃO ARTERIAL – 20 gotas de Arnica D3 antes das refeições. INSUFICIÊNCIA CIRCULATÓRIA – 20 gotas de Arnica D3 antes do almoço. LARINGITE - em adultos – 15 gotas de Arnica D3 antes das refeições. Também indicada para orquites, laringites, afonia, febre seca com sede intensa, contusão na coluna vertebral, dores musculares dos membros superiores. Dinamizações mais usuais são 1X – 3X, para os traumatismos recentes. 3C – 4C, para os traumatismos que já têm de uma semana a 10 dias. 12C, para os traumatismos depois deste tempo. 30C – 200C, nos efeitos distantes de traumatismos ou hemorragias, quaisquer que eles sejam. 4C – 9C – 12C, nas febres tifoides (estuporosas) e nas hemorragias. A arnica atua sobre o sangue, o aparelho circulatório, especialmente nos vasos capilares, sobre o sistema nervoso, em especial a medula, sobre os músculos, o tecido celular subcutâneo e a pele.

Contra-indicações: pode ser tóxica em doses acima das terapêuticas, com sintomas de náuseas, vômitos, dor de estômago, cólicas abdominais, alteração do ritmo cardíaco, agitação e convulsões. Usar com cuidado em pessoas alérgicas. Pode gerar dermatite de contato. Evitar na gravidez, lactação, em portadores de úlcera e epiléticos. Pode ser abortiva. Não usar em pele aberta. Uso interno irrita as mucosas internas e sua ingestão, em alguns casos, pode ser fatal. A arnica não deve ser administrada em crianças menores de 12 anos sem aconselhamento de um terapeuta especializado.

Interações medicamentosas: pode interagir com medicamentos anticoagulantes.

Uso Veterinário: indicada para uso externo em dermatites, mas deve-se proteger a área, pois pode ser tóxica caso o animal venha a lamber o local aplicado.

Cultivo: a arnica gosta de muito sol e umidade e um solo bem drenado. Tolera solos argilosos, mas não gosta de solos arenosos. As sementes devem ser plantadas em sementeiras e transplantadas para canteiros no início da primavera. Os canteiros devem ser em formas de linhas com espaçamento de 8 a 12 polegadas. As plantas crescem devagar, mas darão várias florações ao longo dos anos. Suas flores após colhidas se decompõem com rapidez.

Planeta regente: planeta Saturno. Associada ao signo de Capricórnio.

Indicações energéticas ou mágicas: atribui-se a esta planta uma aura de cor vermelha. Energeticamente promove a concentração dos pensamentos e ideias dispersas. Associada ao deus Ares que, através da planta, confere os poderes mágicos do desejo ardente, disciplina e força física. Paracelso diz que a planta é uma das doze plantas dos antigos rosa-cruzes e que a planta está associada ao Sol.

Habitat: originária da Europa central, mas parece que existe em todo o mundo. No México é muito abundante como planta silvestre.

Informações clínicas e/ou científicas: esta planta foi listada em 1995 em um documento do Health Canada como inaceitável para prescrição de uso via oral.

Descrição botânica: planta de 30 a 50 cm de altura, da família das Compostas, com uma flor composta e muito vistosa de um tom amarelo intenso.

Toxicidade: planta tóxica. Deve ser evitado uso interno. Tóxica para o sistema nervoso.

Colaboradores: RODRIGO SILVEIRA - Fitoterapeuta e Professor, criador do ERVANARIUM: http://www.ervanarium.com.br/profissional/8/rodrigo-silveira.

Observações: encontra-se na lista de plantas com risco de extinção na natureza. Não confundir com a Erva Lanceta (Solidago chilensis Meyen var . chilensis), também conhecida como Arnica brasileira. Um dos melhores usos da Arnica é através da homeopatia. Também é uma planta famosa pelo uso ornamental em jardins.

Fontes de pesquisa: http://www.plantamed.com.br/ • http://www.caminhantes2.com/aromaterapia_26.html • https://lar-natural.com.br/beneficios-do-oleo-de-arnica-para-o-corpo/ • Enciclopédia de Medicina Natural - Marcílio Franco da Costa Pereira - Madras • Fórmulas Mágicas - Dr. Alex Botsaris - Ed. Nova Era • Perfeccionamiento en acupuntura, oligoelementos y fitoterapia - Yves Requena • Plantas Medicinais - Usos populares tradicionais - P. Clemente J. Steffen, S.J. - Instituto Anchietano de Pesquisas/Unisinos/2010 • Plants for life - Medicinal plants conservation and botanic gardens - Belinda Hawkins – BGCI • Farmacodinâmica Homeopática - João Miguel Novaes - pdf • Wicca - A Feitiçaria Moderna - o livro das ervas, magias e sonhos - Gerina Dunwich • A cura pelos remédios caseiros - Guia de ervas e medicina natural - Raunei Iamoni - Ediouro • As plantas que curam - enciclopédia de plantas medicinais - Volume 1 - Dr. Jorge D. Pamplona Roger • As plantas curam - A. Balbach - Ed. Vida Plena • CD Rom - Ervas Medicinais - Volume 1 - Anônimo • Plantas Medicinais - Manipulação artesanal, uso e costume popular - Angelo L. Robertina - PDF • Manual Ilustrado de Plantas Medicinais - Moacyr Pezati Rigueiro - Paulus • Florais de Minas - Catálogo • Florais das Gerais - Catálogo • Canadian Medicinal Crops - Ernest Small e Paul M. Catling - NRC Research Press • Vademecum de Fitoterapia – Pedro Del Rio Pérez – Quitanda de Rueda (León – España) Diciembre/2005 • Handbook of Medicinal Herbs - James A. Duke with Mary Jo Bogenschutz-Godwin, Judi duCellier, Peggy-Ann K. Duke - CRC Press • Projeto Sementinha - Nossos chás - 2000 - Organização e pesquisa - Vânia Coutinho • Apostila de Fitoterapia Chinesa - Prof. Antonio de Bortolli - Delta Educação • Veterinary Herbal Medicine - edited by Susan G. Wynn, Barbara J. Fougère - Mosby/Elsevier • Ervas do Sítio - Rosy L. Bornhausen - Bel Comunicação • Botânica Oculta - Paracelso • Indian Medicinal Plants - C.P Khare - Springer • Herbal Remedies - Andrew Chevalier - DK • Natural Remedies - their origins and uses - Finn Sandberg & Desmond Corrigan - Taylor and Francis • The Yoga of Herbs - Dr. David Frawlwy and Dr. Vasant Lad - Lótus Press •



REDES SOCIAIS

ERVANARIUM
contato@ervanarium.com.br




© Copyright 2013 - Todos os direitos reservados à Ervanarium