BLOG ERVANARIUM

ERVAS PARA RESFRIAR OU AQUECER?

Hoje é comum as pessoas entrarem no facebook e pedir ajuda para que sejam indicadas ervas medicinais para seus problemas de saúde.

As mídias sociais facilitaram o trânsito da informação e a interação entre pessoas desconhecidas na vida presencial e podemos fazer um pedido de ajuda e receber muitas respostas, de várias pessoas, em um mesmo post.

Eu participo de vários grupos de discussão de ervas medicinais e quando pedem ajuda, se eu souber a resposta, costumo contribuir.

Mas o que me deixa impressionado é a maneira como as pessoas emitem opiniões. oferecendo recomendações sem qualquer base de informação sobre a natureza do problema do outro.

Pessoas bem intencionadas, mas muitas vezes com pouca informação respondem ao chamado de servir, prestar ajuda, mas raramente buscam mais informações sobre a natureza do problema que estão dispostas alegremente, em interferir. Nem sempre levando em conta que aquele que faz a pergunta poderá seguir suas instruções.

Mas para você entender o tamanho da questão, vamos a um exemplo simples.

Agora inicia a temporada de frio em nosso país. Não em todo país, mas uma boa parte dele.

As temperaturas deverão começar a cair a medida que o meio do ano se aproxima e muitas pessoas contraem resfriados e gripes nesse processo.

Agora você sabe diferenciar um resfriado de uma gripe? Ou sabe diferenciar os diferentes estágios da gripe?

Nos próximos dias já quase posso ver as pessoas começarem a pedir orientação para tratar gripes, viroses, tonsilites, sinusite e outras doenças comuns nesta época do ano.

Talvez eu possa ajudar você a entender melhor como funcionam os primeiros passos de uma avaliação para determinar a melhor erva disponível para o melhor resultado.

Para começar, precisamos entender o princípio da temperatura da erva. 

No Ayurveda esse princípio é tão importante que tem nome: VIRYA.

Mas se você ainda não conhece o Ayurveda, não seguir por aqui. Não se preocupe.

Vamos fazer a coisa ficar o mais simples possível, para que você possa começar a prestar atenção nisso também.

As ervas medicinais, quanto a temperatura, são divididas em frias, mornas e quentes.

As ervas quentes servem para aquecer o sistema e eliminar frio, umidade e/ou vento do organismo, como reumatismos, resfriados, alguns tipos de sinusite.

Exemplos de ervas quentes são o GENGIBRE e a CANELA.

Pode clicar nos nomes para saber mais sobre elas.

As ervas frias são utilizadas para tratar doenças quentes.

Exemplos de doenças quentes são as inflamações (de todo tipo), as alergias (inclusive câncer) e as infecções.

Você pode consultar uma erva fria aqui: acesse, clicando no nome da erva BARDANA.

Esta é uma erva BEM FRIA e que deve ser usada com cuidado, em baixa concentração e por tempo limitado. É um poderoso depurativo e antibactericida.

Outra erva bastante fria é o AGRIÃO.

Está vai ser bem útil agora na estação fria. Vamos falar mais dessa erva, daqui a pouco.

Mas voltemos a gripe, agora que sabemos que as ervas podem ser quentes e frias (já falarei das mornas).

Quando a gripe está surgindo e emitindo seus primeiros sinais, costumamos chamar isso de resfriado. Esta fase passa, em poucas horas, para um estágio mais evoluído que costumamos chamar de gripe.

No resfriado, o sistema imunológico ainda está lutando, de igual para igual, com os invasores e nada está definido. Nossas defesas estão sendo forçadas, mas o inimigo ainda não invadiu pra valer nosso castelo.

Este é o melhor momento para agir e garantir de vez a luta a nosso favor. Em geral, os sintomas mais comuns são espirros, baixa de energia e coriza clara (sinais de frio penetrando no organismo).

Se o que ocasionou o problema é o frio, então você vai precisar de ervas quentes para combater o inimigo. Consulte sobre ervas quentes e procure sobre ervas da categoria 4 no banco de dados do ERVANARIUM.

São essas que você quer usar neste primeiro estágio.

Mas digamos que o resfriado não foi tratado em tempo e o frio entrou no corpo. As defesas foram devassadas, mas nosso exército é bravo e continua a lutar, mas só que dentro das muralhas de nosso castelo. Precisamos ajudá-lo, mas como saber o que fazer?

Observe os sintomas.

A coriza começou a ficar mais densa e a cor ficou branca? Ainda tem algum frio.

A cor já ficou amarela? Tem febre? Calafrios?

Pronto! Agora tudo mudou. A gripe já virou uma doença quente, pois apareceram os primeiros sinais de calor (febre) infecção, inflamação.

Agora temos que mudar o conjunto de ervas e procurar as ervas que tratem sintomas quentes. São aquelas que pertencem a categoria 1 (para ajudar a transpirar e eliminar o calor-febre) e categoria 2 (para eliminar sintomas frios). Procure no banco de dados do ERVANARIUM.

Cada doença tem uma qualidade de temperatura e devemos saber como identificar e tratar com ervas que equilibrem o contexto, seja por oposição (calor versus frio - frio versus calor) ou por eliminação (expelir elementos nocivos que invadiram o sistema tais como calor, frio, vento, secura ou umidade).

E as ervas mornas? As ervas mornas são aqueles coringas que podemos usar em associação com ervas quentes ou frias. São ervas que irão enfatizar a característica das ervas que elas irão acompanhar.

Por exemplo: a HORTELÃ-PIMENTA, sozinha, é uma erva morna que pode ser utilizada em formulações com o Agrião (uma erva bem fria) para diminuir um pouco este frio. Mas também pode ser utilizado com ervas bem quentes como o CRAVO DA ÍNDIA para diminuir um pouco o seu calor.

Utilizamos ervas mornas para dosar as temperaturas extremas de ervas muito quentes ou muito frias, mas também para colaborar com o tratamento com suas propriedades medicinais.

Mas lembre-se de antes de utilizar qualquer erva medicinal, dê uma conferida em suas contraindicações. Duas ervas frias, mornas ou quentes podem ter caracterísitcas medicinais similares, mas contraindicações diferentes e, às vezes, uma pode ser usada e talvez a outra não. Sempre se certifique disso.

O banco de dados do ERVANARIUM tem as informações, mas você tem que conferir.

Para finalizar este post:

A primeira coisa a fazer ao querer indicar ervas medicinais é entender a natureza do problema.

Um bom começo é buscar saber se estamos diante de uma síndrome quente ou fria ou de outra natureza.

É o primeiro passo, mas não é tudo.

Continue curioso. Continue estudando.

Autor: Rodrigo Silveira - criador do ERVANARIUM
Posts Anteriores:
















































REDES SOCIAIS

ERVANARIUM
contato@ervanarium.com.br




© Copyright 2013 - Todos os direitos reservados à Ervanarium